quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Saici, 158




Hoje resolvi abrir a casa e convidar vcs para um café feito com folhas de canela na água.

Depois rola um charuto na varanda.

A planta no portão da garagem é uma Congéia, que me foi apresentada por Ana Maria, minha irmã.

A árvore grande ao lado da casa, a canela.

A numeração veio de Sorrento.
O sino foi presente de meu compadre Raul.

Tem um Santo Antonio na varanda, de Lisboa, presente de Naju,

um exu no jardim

e Buda na sala.

Pode entrar.
fotos:bg, saici, 158, ituberá.

9 comentários:

Nilson disse...

Você esqueceu do sino ou foi má leitura minha. Um objeto tão curioso não pode ficar de fora.
Boa sexta!
Nilson

Palavras e co-lirius disse...

Você esqueceu do sino ou foi má leitura minha? Um objeto tão curioso não pode ficar de fora.
Boa sexta!
Nilson

Anônimo disse...

Gordo!
Que delícia!! Dá vontade de ir mesmo! Bjss Lua

maria guimarães sampaio disse...

ái como estou atrasada. dá vontade de sair correndo, correndo entrar no ferry, correndo chegar no 158 da Saici! e de a pés!

Maíra disse...

Me deu saudades do tempo que morei aí no número 158 !!

bjs

Edu O. disse...

Que morada linda!!!! e no silêncio deve ser melhor ainda. Sem música de fundo. hhahahahhaaa

Luli Facciolla disse...

Saudade do 158!
Qualquer hora apareço pra brincar na grama com Zulu e Buda!
E pra deixar uma torta de limão na geladeira!!!

Beijos

Janaína Amado disse...

Puxa vida, que morada mais bonita e acolhedora!
Dá vontade de entrar. E ficar.

aeronauta disse...

Que lindo cantinho pra fugir do mundo!

xeudizer:

anotações livres, leves, soltas