quarta-feira, 20 de agosto de 2008

Para Maira Rocha

Minha querida afilhada:

Acabo de ler seu comentário em meu bloco diário, que me deu muita alegria. Sim, escolhi seu nome, igual ao da minha segunda filha, prontamente aceito por seus pais. Mais que isso, fiz o parto de sua mãe para você vir a este mundão de meudeus; foi numa cama, na Policlinica de Maracás, longe da sala de parto e não deu tempo pra nada! quando seu pai me trouxe, você já estava quase chegando. Lembro bem que fiquei chateado porque eu tinha tanto cuidado com minhas parturientes, fazendo os partos com o mínimo de trauma possível, colocava até musica na sala, e logo o nascimento da filha de meu amigo Lucas seria daquela forma. Cortei sua mãe sem anestesia, para lhe dar passagem. Ela gritou alto, estremeceu as paredes, e com um único empurrão te jogou em minhas mãos. Agora foi a sua vez de gritar, ela já nem sentia mais dor. Lucas do meu lado, pálido, pensei que ia desmaiar. Mas foi assim. Depois disso, convivemos tão pouco...Vinte e cinco anos depois você me escreve. Soube que também já pariu. Me mande notícias suas, de seu pai, de sua mãe, de sua Clara Vitória. Me diga que sentiu pouca dor em seu parto. Eu aqui vou ficar mais aliviado.
PS: tenho visita programada, sim, à Maracás, antes do final do ano.

4 comentários:

maria guimarães sampaio disse...

lindo, meu compadreirmãoprimoamigo!

Maira Rocha disse...

Em meio a lágrimas (muito emcionada) confesso que nunca ouvira antes de modo tão emocionante como foi minha chegada a esse mundo de meu Deus... Minha mãe me conta mas sinto na voz dela ainda um pouco de dor hummm... meu pai disse que foi num dia de sábado ele tinha çlevado a minha madrinha (por onde anda?) pra fazer a feira e na volta quando te contou que minha mãe estava em trabalho de parto vc jogou o jornal em cima da mesa e correu pra se aprontar... me conta também de quando eu ficava doente, vc ia em casa me medicar... ah quem me dera ser assim até hoje. Já me surgiram outros tantos padrinho emprestados, mas sempre deixei claro que padrinho mesmo só um O Dr. Bernardo... rsrsrs A propósito, devo-lhe agradecimentos pelo meu nome... amo de paixão meu nome e ele soa do jeito que queria Ma-í-ra e não Mai-ra... minha mãe me contou que meu nome seria Claudia pra combinar com meu irmão Claudio :( ... aff!!! ia ficar parecendo dupla sertaneja, depois teríamos que aprender cantar músicas e tocar algum instrumento e ter que sair no mais uma vez "mundão de meu Deus" pra ganhar a vida... ufa que alívio, viu do que vc conseguiu me salvar.
Bem, meu parto foi tranquilo... cezariana, minha filha nasceu de oito meses, a bolsa rompeu, perdia muito líquido... mas enfim! tudo certo, não passei o trauma da minha mãe. Minha Clarinha está hoje com 4 meses, linda e muito diferente de quando nasceu, hoje ela experimentou o gosto ruim de uma gripe violenta e eu triste demais por ela não ter um padrinho médico para lhe atender em casa... Ah meu tempos... pode parecer estranho mas tenho que me acostumar com a idéia de ... a benção padrinho! Um cheiro... estarei aqui em seu blog todos os dias, conhecendo um pouco mais do cara que me pegou no colo pela primeira vez na vida!

Maria Paternostro disse...

Beca, que depoimento lindo esse da sua afilhada Maíra! Vc realmente é muito especial. Bjs

Maíra disse...

Puxa pai !!! preciso urgente conhecer minha xará!! Quantas coincidências !! Mesmo nome.. nos tornamos mães quase ao mesmo tempo !! manda o e-mail dela !! bjs

xeudizer:

anotações livres, leves, soltas