sexta-feira, 20 de março de 2009

Sobre cada um

LICURI

MARCUS

Desde o primeiro momento achei que ele chegaria antes de nós. A única referência que tenho dele é sua foto dos comentários: a cabeça inclinada, a mão na têmpora, a testa enrugada com uma expressão sacânica. Chegamos ao Tom do Saber e nada de Marcus. Todos os outros presentes, livros autografados e fomos às pizzas já que o pequeno xará do protagonista deste texto, o Marcus Vinícius da Menina da Ilha estava ficando verde e eu não havia levado nenhum comprimido a não ser o Vertix.

Na segunda pizza Maria berrou ( estava impussível, apontando primeiro os e-amigos e berrando loucamente):

-"Marcus chegou!"
Olhei pra porta e não vi. Por alguns segundos achei que a prima havia se enganado, cheia de coca que estava. O Marcus de verdade é mais baixinho, mais claro, cabelos mais lisos e espetados que o do Licuri. Abraços, trocas de gentilezas, e fiquei assim olhando pra ele, de vez em quando, de canto de olho, meio desconfiado. Podia ser um Truque de Janaina ( eu acredito em todos!). Mais uma pizza e algumas cocas depois, comecei a desdesconfiar.Passei a acreditar no Truque dele, Marcus, de mil faces, muitos corpos. É escritor, fotógrafo, viajante, porque não seria capaz e se apresentar como queira?

No frigir das pizzas, adorei os dois.

foto 2 de vera; foto 1 do licuri

12 comentários:

Renata Belmonte disse...

Marcus,
Eu não te disse? Você é mesmo mais claro na vida real!(rs)
Bjs

aeronauta disse...

Puxa, que delícia essas crônicas.

Maria Muadiê disse...

Bernardo, adorei sua idéia de mostrar suas impressões de cada um.
A suavidade da Menina...e Marcus, estou doida para conhecê-lo!
Um bjo

Meninadailha disse...

E é esse que me disse entre um pedaço de pizza, que as palavras demoram para chegar. Pelo que estou lendo, elas estão a todo vapor. Concordo com Maria Muadiê, que essa sua idéia foi ótima.Depois de ler todas as revoltas de Marcus contra mim,sempre tomando as dores de Aeronauta, e ainda de ter me contratado para ser guarda-costas do irmão dele, esperava um colega valentão. No entanto, quando ele chegou não o reconheci de primeira, mesmo ouvindo o nome Marcus. Ali, diante de mim perdeu toda a valentia.Pena que quando ele já estava se revelando, tive que sair. Acho que ele estava meio perdido sem a sua Soraya.

Marcus Gusmão disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marcus Gusmão disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marcus Gusmão disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marcus Gusmão disse...

Caros, o resumo de como eu queria me vender, só pelo que vocês notaram ou julgaram publicável: um negão alto, forte e valente. A explicação para a fraude está num ditado, dito pelo meu irmão na viagem de retomada do possante, quando falávamos mal de uma pessoa ostentadora do que não possuía "Diga-me do que te blasonas e eu te direi o que te faltas!"

Janaina Amado disse...

Ô Bernardo, mas eu tô adorando esses seus perfis aqui. Sei como é isso de confrontar o e-amigo com o amigo, vivi uma outra experiência maravilhosa, parecida com essa: conheci colegas de uma oficina literária só por e-mail, depois a gente marcou um encontro e se conheceu ao vivo, senti isso mesmo que você, confrontando toda a hora as duas imagens, um barato! E depois... nós escrevemos um livro juntos, o que é talvez a melhor forma de juntar as duas imagens. Ótimo final de semana!
PS - Depois da labirintite você ficou melhor ainda!

Chorik disse...

Puxa, como é bom saber de suas impressões sobre os e-amigos, cada vez menos e, cada vez mais amigos. Esses relatos estão um luxo, tal qual os DVDs duplos, edições especiais. Perdi o filme, mas acompanho os extras com muita atenção e alegria. Ah! nunca é demais dizer. Devo todos vocês a Marcus.

Nilson disse...

A gente materializa, né não? Então podemos passar a ver Marcus como um negão alto, forte e valente. Toni Tornado, por exemplo???

leve solto disse...

Muito bom o blog..

Que delícia de encontro com e-amigos..rsrs

Adorei (passando a acompanhar, ok? posso? rs)

bj

xeudizer:

anotações livres, leves, soltas