sexta-feira, 6 de março de 2009

Cagadas homéricas I


Quinto ano de medicina. Matéria: Urologia. Na Federal, temos três míseros meses para estudar toda uma especialidade médica.Virote, noites insones à base de coca cola e café; tempos ingênuos aqueles...Prova oral é o terror de qualquer estudante. Pausa.

Tio Wenceslau Pires da Veiga era o mestre da cadeira de Urologia. Foi um dos maiores nomes do corpo de professores da Faculdade de Medicina. Era respeitadíssimo por seu caráter e muito mais ainda por seu conhecimento em sua especialidade. Era uma referência constante,em citações de seus colegas e especialmente de seus alunos, dentre eles Dr. Santos Pereira e Dr. Adroaldo, este um "filho" na profissão. Ambos conviviam com tio Wenceslau e conheciam bem toda a família, inclusive meu avô Chimbo e meu pai, de quem tio Wenceslau era genro e cunhado. Pausa.

Como estudávamos às vezes quatro ou cinco matéria no mesmo semestre, sobrava pouco tempo pra estudar tudo. Desta vez, além de uma lida em tudo, me fixei nos tumores da bexiga.

Dia da prova. Do lado de fora da sala de torturas, alunos comendo páginas e mais páginas, numa ultima possibilidades de gravar que no rim, a cápsula de Bowman envolve o glomérulo de Malpighi. Uma filtração comprometida lá em cima, provocava constrangedores reflexos mais embaixo. Em vão. O bedel grita da porta: "Dr. Bernardo Guimarães!" Senti que meu glomérulo filtrou muito rápido e apertei as pernas que tremiam. A Inquisição: um tablado, três professores, sendo os dois citados lá em cima. Nossa cadeira ficava uns dois andares abaixo dos mestes,que ficavam mais ameaçadores ainda. Ao lerem meu nome, a pergunta vem de chofre: " -O que o senhor é do Dr. Chimbo?" E eu num fio de voz: " -Neto". -"Então o senhor é sobrinho do professor Pires da Veiga e esperamos que entenda a responsabilidade que o senhor carrega de ser o primeiro parente próximo do professor a nos enfrentar e prove a todos nós desta banca que o senhor merece ser tratado como sobrinho do Mestre". "-Fudeu", pensei, com a bexiga nos joelhos. Veio de Dr Adroaldo, a minha absolvição: "- Como temos certeza que o senhor sabe tudo de Urologia, honrando o nome de Dr Wenceslau, lhe damos o direito de escolher o assunto. "- Tumores da bexiga" já falei estufando o peito. Foi a unica nota "S" da turma e por onde passava, me olhavam com respeito e ouvia os sussurros: este vei ser Urologista.

Juro que a unica coisa que me ficou da matéria é que a cápsula de Bowman recobre o glomérulo de Malpighi e que em situação de pânico você se mija mermo!!!
foto: uma.com

6 comentários:

Janaina Amado disse...

Bernardo, delícia de crônica, tá parecendo texto de João Ubaldo!
Minha irmã nem estudou os 3 meses de nefrologia: coincidiram com greve na faculdade...
Coitados de nós, pacientes - sobrevivemos apesar de vocês :-))
Beijo!

maria guimarães sampaio disse...

E com o que você escreve a cápsula de Bowman recobre o glomérulo de Malpighi do leitor que não entra em pânico mas se mija mermo é de tanto rir.

aeronauta disse...

Essas suas histórias da medicina merecem um livro.

Marcus Gusmão disse...

Dr. Bernardo: o senhor é um médico artista ou um artista médico?

Lua disse...

adooooro os causos médicos!

Meninha disse...

Quase que eu me mijo de rir. Bjs

xeudizer:

anotações livres, leves, soltas