terça-feira, 7 de outubro de 2008

Idolos


Canso de dizer que admiro dois personagens, um brasileiro Virgulino Lampião e outro universal, Ernesto Guevera de la Serna. O primeiro, ídolo de infancia, quando as estórias ouvidas se confundiam com as de Jerônimo, o Herói do Sertão. O outro, o Ché, me arrebatou na juventude com sua ideologia, coragem e espírito libertador e revolucionário. Não acredito que alguem de nossa geração não tenha se rendido à sua imagem.

Esses personagens sempre foram, no entanto, distantes, inatingíveis. Minha sorte é que sempre tive um ídolo pessoal, palpável, pertinho de mim: Maria Guimarães Sampaio. Não me lembro quando tive a certeza de sua presença, foi aparecendo assim, devagar. Em nossa primeira imagem juntos, estou nu, sem calção, mijado, segurando sua mão, ela também uma menina já que apenas cinco anos nos separam. Foi minha primeira parenta a entrar na faculdade e começo a ouvir sobre sua militancia política. Nasce o ídolo. Os fins de semana em sua casa, seus laços com os artitas baianos. Veio Ibiuna e ela estava lá. Cresce o ídolo. Primeira mulher piloto de carro numa corrida louca em Salvador. No escritório da Casa Stella no 81 do Campo da Pólvora, nosso quartel general, nossa amizade se estreita. Casamento dela e meu, chamo para ser madrinha de meus quatro filhos. Divórcio dela e meu e nós lá...Carnaval e cinzas. Dançamos Cajuína. Bebemos todas, inventamos muitas e ameaçamos até fundar um bloco de Carnaval: Muitos Carnavais ou Netos de Chimbo? Pierrôs, Arlequins e Colombinas; tudo motivo pra farra. Maison sete na Amaralina. Super-oitos belíssimos dirigidos a quatro mãos. Mais amigos ainda, mais ídolo do que nunca. Na morte de meu irmão, a companhia inestimável dela e Tutu. A idade vem chegando pra nós dois. Maria está cada dia melhor, muito viajante, Oropa, França e África mas sempre volta pra Bahia, pra nós. Breve, vamos juntos a Buenos Aires. Vira escritora de mão cheia. Não há a menor diferença do meu amor pelas outras duas irmãs, Ana Maria e Mena. Eu tenho é uma paixão escancarada por Maria. Meus filhos a Vera me acompanham nesta paixão.
foto de maria, por iracema chequer e sequestrada por mim, da divulação de rosália roseiral-revista muito.

14 comentários:

miro paternostro disse...

pois quero declarar aqui que somos dois! ela é também minha grande ídola e tanto prima como amiga e ainda assim uma parenta que pude escolher.

valter ferraz disse...

Bernardo,
desculpe a intromissão em assuntos de família:
declaração de amor descarada!
Abraço forte

aeronauta disse...

Linda declaração de amor!
Não conheço pessoalmente Maria, mas é como se a conhecesse há muito tempo! Tenho muito carinho e admiração por ela.

Janaina Amado disse...

Bernardo, postei um comentário enooorme, mas não sei o que aconteceu, não seguiu. Vou tentar de novo:
Gosto muito de Maria desde que, adolescentes as duas - eu, um ano mais velha -, passei férias inesquecíveis em sua casa. Depois mudanças, distâncias nos afastaram uma da outra. Mas quando muitos anos depois a reencontrei, foi como se a tivesse visto na véspera. Admiro em Maria sobretudo a sensibilidade, a retidão, a alegria e o fato de nunca me sentir julgada, mas compreendida e apoiada, por ela. Maria mora bem aqui no meu coração.

maria guimarães sampaio disse...

Gentes... meu amor Béca que escreveu e vocês que comentaram já sabem: estou lavada em lágrimas. Eu sinto este amor de meus parenteamigosparentes como algo físico que posso apalpar. Lutarei cada dia mais por esta vida que é de vocês todos. Para acabar o chororô começo a rir pensando em Orlando Dias que se ajoelhava diante do público, apertava o lenço no coração depois acenava a gritar MEU CORAÇÃO É DE VOCÊS!
entrou por uma porta saiu pela outra, viva eu, viva tu, viva o rabo do tatu
PS: quem se lembra de Orlando Dias?

Anônimo disse...

meu retrato foi da revista Muito, de autoria de Iracema Chequer
----------
ainda encontro a foto do nu
----------
eu mesma

daniela disse...

Linda declaração. Te Maria merece muito mais, beijos para os dois.

Palatus disse...

Ah, amigo...que bom que tem seus ídolos...hoje me aborreço no silêncio com meus alunos, que pouco querem acreditar em ideais.
Eu ainda tenhos os meus...idolos y ideais mesmo utópicos, românticos.
Abraço ao interior!

Juan Trasmonte disse...

Bernardo, belíssimo retrato de Maria. Insisto, suas crônicas são ótimas, como filmes, atravessadas pelas imagens.
Vou linkar o Xeudizer no meu Nemvem Quenaotem.
Aliás, não sei quais os planos de vocês para Buenos Aires, mas contem comigo para o que precisarem.
Abs.

Meninha disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Meninha disse...

Lindo, lindo, lindo! Chorei horrores... Eu também tenho um ídolo ao palpável, pertinho de mim, ele se chama Bernardo Guimarães, conhecem? Depois que meu pai faleceu esse amor ficou mais forte e eu agradeço todos os dias a Deus por ter ele na minha vida.

Edu O. disse...

Li ontem este post e acho que hoje fiquei com isso lá dentro de mim e falei de uma amiga importante que uns acham que não existiu.
Adoro Maria, adoro saber que conquistei um pedecinho dela.

vera disse...

Como peona que sou , vi o post as 6 horas da manhã e não pude me manifestar, pois tive que sair para levar Nana na escola ás 6 e meia.
Somente agora ás 23:21 ,posso dizer que esta paixão é imensa e que todos da casa somos embasbacados por ela.Tudo de Tia Maria é òtimo.Até os calundus(nunca vimos,sabemos apenas que existem) são charmosos.É uma tietagem só.
É MARIDO,MULÉ E A INFIEIRA DE MENINO ...todo mundo apaixonado!

Renata Belmonte disse...

Ai, Bernardo, que lindo!
Bjs

xeudizer:

anotações livres, leves, soltas