segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

Florbela Espanca




Bice, uma amiga querida escreveu um verso num livro meu e quando li, tive vontade de conhecer mais. Era um verso de Florbela Espanca. Poesia, para mim,é como um quadro ou uma música: gosto ou não gosto, não importa de quem seja. Daí que curto Salvador Dalí, Miró ou F da Silva, com seus monstros coloridos. Adoro QUASE todas as músicas dos compositores reconhecidos e de vez em quando me pego assoviando uma melodia que ouvi na voz muito bonita de Zezé di Camargo. Mas na poesia é diferente, ou eu sou mais maluco do que penso: de meus poetas preferidos, não conheço uma só poesia que não goste: Thiago de Melo, Paulo Leminski e Florbela Espanca. Acho que é porque não sei dizer o que sinto; à vezes, só com poesia se consegue, e eles falam por mim. Não tenho a pretensão de comentar uma poeta. Apenas leiam estes versos da que se chama Florbela d'Alma Conceição Espanca, nascida e morta ( por escolha própria) no mesmo dia 8 de dezembro. Em seu diário, as ultimas palavras escritas foram: -e se não haver gestos novos nem palavras novas?

Nunca fui como todos
Nunca tive muitos amigos
Nunca fui favorita
Nunca fui o que meus pais queriam
Nunca tive alguém que amasse
Mas tive somente a mim
A minha absoluta verdade
Meu verdadeiro pensamento
O meu conforto nas horas de sofrimento
não vivo sozinha porque gosto
e sim porque aprendi a ser só...
Beijá-me as mãos, Amor, devagarinho...
Como se os dois nascessemos irmãos,
Aves cantando, ao sol, no mesmo ninho...
Beija-mas bem!... Que fantasia louca
Guardar assim, fechados, nestas mãos,
Os beijos que sonhei pra minha boca!...

Minh’alma, de sonhar-te, anda perdida
Meus olhos andam cegos de te ver !
Não és sequer a razão do meu viver,
Pois que tu és já toda a minha vida !

19 comentários:

aeronauta disse...

Também adoro Florbela. Tenho um poema dela em quadro na janela de minha sala.
Ah, lembrei do que você, como personagem, diz no "Morte Abjeta" sobre os seus olhos!!!! Lembra-se?

aeronauta disse...

Ou, consertando: tenho um quadro dela na PAREDE de minha sala!

Edu O. disse...

Eu adoro Florbela. Diz tanta coisa de mim!

Serena Flor disse...

Acho que todos nós blogueiros saímos ganhando ontem com esta blogagem coletiva em homenagem à Florbela não é mesmo?
Tudo ficou mais lindo e perfumado com o doce aroma dessa Flor...bela!
Adorei também ter participado desta grande união.
Um grande beijo e seu post ficou uma delícia de se ler, aliás como tudo aqui...estou levando seu link para o Alma Poeta pra me facilitar o retorno ok?
Um grande beijo!

maria guimarães sampaio disse...

Primo, descobri que sou uma "frívola adolescente" em relação aos poetas. Já fui apaixonada por tantos... (De Florbela tenho lindas edições portuguesas que li vorazmente). Porém o "meu" poeta, único de quem sei trechos de cor, é João Cabral de Melo Neto.

Meninha disse...

Lindo poema. Bjss

EternaApaixonada disse...

*****

Vim conhecer seu espaço e deixar um abraço! Gostei muito!
Linda homenagem à amada poetisa!
Também participei com meus blogs. Ontem devido congestionamento não consegui visitar os blogs participantes da Blogagem Coletiva, que foi um sucesso!
Tenha uma ótima semana!

Sintonias do Coração

ETERNOS SONHARES

Coisas da Helô ©


*****

Mãe de Iara disse...

Lindo,lindo,lindo !!!

Renata Belmonte disse...

Bernardo,
Esse poema é mesmo lindo! E adivinhe o que eu comecei a ler? Já adianto que estou ADORANDO o Morte Abjeta. E vê se passa para me visitar no Vestígios! Você sumiu!(rs)
Bjs

miro paternostro disse...

linda postagem

Janaina Amado disse...

Oi, Bernardo, bom ver que temos mais isso em comum, o gosto da poesia de Florbela. Abraço.

Urbano Leonel Sant' Anna disse...

Boa tarde! Sigo visitando os blogs participantes da blogagem coletiva.

Isto é o que eu chamo de uma corrente do bem! Como é que se poderia chamar uma iniciativa que enche de poesia a blogosfera? Aqui está uma excelente oportunidade para que todos conheçam um pouco mais sobre a genial Florbela Espanca.

Eis um trecho de "Ser poeta", de Florbela:

"Ser poeta é ser mais alto, é ser maior
Do que os homens! Morder como quem beija!
É ser mendigo e dar como quem seja
Rei do Reino de Aquém e de Além Dor!"

Parabéns a todos que estão participando!

Sensata Paranóia

anjobaldio disse...

É bom sempre ler Florbela. Grande abraço.

Menina da Ilha disse...

Lindo seu texto, e a poesia então... Li muito Florbela na faculdade, depois deixei e vez ou outra a encontro na casa de Aeronauta. Seu "fashion é pouco" está uma belezura.

Menina da Ilha disse...

Pedi para ver o sorriso de Iara e quando você mostra, eu estava de braços dados com a preguiça e demorei esse tempão para ver. Nem perto do computador eu estava passando.Mas valeu a pena, é o segundo sorriso mais lindo do mundo. Também sou mãe coruja, viu?

Maria Judith. disse...

Menino, esqueceu que estou de mudança também? Nem tempo de me coçar eu tenho...
Prometo que volto em breve.

Ricardo Dib disse...

Tenho uma relação doida com poesia também. Acho que poesia não é pra se interpretar, e sim para sentir. Florbela reflete bem isso.
*
Já leio seu blog faz tempo, mas só agora resolvi comentar. Gosto muito daqui. Ele me foi apresentado por sua amiga Ester, que inclusive me emprestou o livro 'Morte Abjeta' que você escreveu com a filha dela Judith. Adorei! Muito divertido. Parabéns pelo livro e pelo blog.

Abraço.
...

Renata Belmonte disse...

Fã sou eu! Entro aqui todo dia.
Bjs

Renata Belmonte disse...

Havaiana, japonesa... Só muda a nacionalidade!(rs) No mais, vou começar uma campanha aqui em casa para eu tb viajar para Aruba.
Bjs

xeudizer:

anotações livres, leves, soltas