quarta-feira, 17 de março de 2010

Lobolo


“O Tribunal Judicial de Gondola, em Manica, Moçambique, acaba de condenar a seis meses de cadeia, dois jovens apanhados a manter relações sexuais com uma cabra, mas donos do animal continuam a exigir casamento.
- No preciso momento em que fui ver, a cabra apresentava corrimentos, o sexo estava inchado. Um dos jovens estava nu, enquanto segurava a cabeça ( da cabra ) e o outro a fazer sexo com o animal.
Resolvida a questão judicial, o proprietário do animal é que não se conforma e continua a exigir que os jovens se casem com o animal(...) e teriam de pagar lobolo, um ritual tradicional que reconhece a união marital, no qual o homem compensa a família da mulher.
O animal violado foi devolvido ao inconformado proprietário e os jovens continuam presos”.


Esta notícia estupenda para nós interioranos, me foi enviada por Martha. Acredito que ela se lembrou de mim apenas por eu andar escrivinhando, textos atrás, sobre a iniciação sexual dos meninos do interior. Pelo visto, parece que a Bahia se desgarrou mesmo da costa africana, já que lá a iniciação é idêntica, o que muda é o lobolo. Com o desgarramento, as tradições se afastaram, a ponto de, por estas bandas, o flagrante só causar uma imensa gozação ( êpa!). Se lobolo existisse, com a criatividade ( leia-se esperteza, segundo a Lei de Gérson) do povinho desta terra, haveria criadores de cabra visando outro lucro que não com a venda de carne e leite. Bregas de cabras seriam abertos em todo Nordeste; lupanares de ovelhas no Sul Maravilha. Vaquinhas novas seriam oferecidas nas casas de tolerância do Centro-Oeste. Na região Norte, povo brabo, era capaz de se lobolar com as onças.
Depois da nota no Diário de Moçambique, resta um suspiro de alívio aos meninos que continuam a crescer nos campos do país. E eu aqui para registrar.

12 comentários:

aeronauta disse...

Seu escrita e humor caminham sempre juntos. E é sempre prazeroso ler seus textos.
... E que história engraçada é essa?

maria guimarães sampaio disse...

sem contar as frangotas... uma e duas!

Gerana Damulakis disse...

Bernardo: aproveiro para enviar um abraço pelo seu aniversário.

Renata (impermeável a) disse...

me lembrei so primeiro menino a me roubar um beijo aqui no interior, o apelido dele era "galinácio" ... não preciso explicar o porque!

Era tão bonito, mas, olhava para ele e lembrava da possível cena patética.

Já pensou nas pobres mocinhas virgens do interior ( naquela epoca existiam) a imaginar os seus futuros principes fodendo bichos?

Abrantes disse...

:)

Luli Facciolla disse...

Sensacional!

Beijos

Ricardo Dib disse...

Eu conheço uns "cabra" que iriam à bordeis de cabras. hehehehe!

Janaina Amado disse...

Ai que delícia de texto!
Comovente, e também belamente escrito, a postagem sobre o seu amigo-irmão. Que bom que você voltou antes de mim, assim pude ler textos seus acumulados! :-)
Beijos.

Marcus Gusmão disse...

A notícia carece de exatidão. Eu não estava nu, apenas segurando a cabeça (da cabra). Parabéns, peixe!

I.Moniz Pacheco disse...

Imagine a cena! Será que ela gostou?

Nilson disse...

Uma vez me contaram de um certo político baiano, respeitável pero no mucho, que em sua cidade, quando garoto, foi visto em apuros com uma jumenta que não queria relaxar a xereca, e ainda saiu passeando pelas ruas com o dito cujo plugado lá atrás. Será verdade???

Maria Muadiê disse...

Bernardo, foi mesmo, lembrei de vc quando vi a notícia apenas porque vc escrevinhou sobre o assunto.
Cada uma que acontece, não é?
Senti sua falta no lançamento do livro de Maria.
beijo,

xeudizer:

anotações livres, leves, soltas