quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Dieta rural


Pensando em me agradar, um paciente me levou uma banda de tatu moqueado. Recusei com cuidado de não ofender, explicando que sou "alérgico a carne de caça, qualquer caça". Não sou, mas não posso mais comer o que comia quando criança aqui na roça. Paca, tatu, cotia não, que não se come, nem tamanduá que tem gosto de formiga. Jacaré, jibóia, veado, rã, teiú, até passarinho. Eduardo, meu irmão, era retado pra derrubar beijaflor de badogue, arrancava o coração ainda batendo e engolia, com a ponta pra fora, mode dar mais pontaria. Boi, carneiro, bufalo, tô-fraco, pato, baiacu, bobó, camarão de água doce. Cheguei a comer o fim da linha da escala animal: sariguê, bicho com cara de rato e catinga de bode morto! Leite de vaca cru, misturado com mastruz. Xarope de jurubeba pra combater fraqueza do pulmão. Definitivamente, não posso mais comer o que comia. A maioria, deixei por força do ecologicamente correto e o resto, porque não preciso mais provar, como antes, que podia comer de um tudo um pouco. Hoje mais seletivo, só me permito deliciar com carne criada para o abate, boi, porco, galinha. Limpei a consciência e entupi as artérias: Colesterol de 330.
Parece que eu era feliz e nem desconfiava...


foto:tvtem.globo

7 comentários:

Moniz Fiappo disse...

Pois é Dr.Bernardo. Deixei de lado também algumas coisas como o cigarro, as gorduras (quase todas, uma vez por semana um acarajezinho não faz mal, não?), os açucares (não me fazem muita falta).Colesterol 220, ainda mais o sobrepeso. Estou numa academia fazendo aeróbica de segunda a sexta. Mas não deixei a cerveja, algum prazer hei de merecer, não acha? Afinal, não matei minha mãe...

Chorik disse...

Bem-vindo ao clube!

Edu O. disse...

E eu que to de dieta forçada. to odiando!!!!!

Nilson disse...

Pobrema de comer tatu, segundo os Mamonas, é que dá dor nas costas...

Marcus disse...

Feliz é o avô dos meninos, aos 90, que ontem mesmo, depois da carne do sol, se deliciava com a carne vermelha, seca e oleosa de um roedor que vive aqui nas serras e se alimenta de licuri.(Aqui pra nós,rato do mato mesmo).
Eu continuo com a postura do avestruz: não tenho a mínima idéia de a quantas anda meu colesterol,a minha pressa arterial, enfim, qualquer hora mando daqueles e-mails desesperados pedindo explicação médica e orientação.
Desejo um 2011 com menos colesterol pro Doutor.

Maria Judith. disse...

Nunca fui de gorduras, mas elas me adotaram, definitivamente, ocupando partes do meu corpo. Outras pragas também se aproximaram, e tive que adotar a dieta moderna, composta de rosuvastatina, euthyrox,bonalen e até zolpiden, para me ajudar a esquecer por algumas horas.
Só uma coisa nao deixei de lado: chocolate. Nenhuma pessoa que queira ser feliz pode deixar de consumir ao menos um pedacinho, todos os dias...

Maria Muadiê disse...

oi, Bernardo, tdo bem?
Estou sentindo falta de notícias do interior.
beijo

xeudizer:

anotações livres, leves, soltas